5° texto: Não dá para obter resultados diferentes se não mudarmos o que estamos fazendo para alcançá-los

Uma das definições da palavra insanidade é fazer as mesmas coisas repetidamente esperando um resultado final diferente. Parece óbvio, mas não é. Muitos pacientes chegam à terapia entendendo que a forma como pensam e agem tem trazido muitos problemas, sofrimento, angústia. Porém, com o passar das sessões, quando novas possibilidades de pensamento e comportamento vão surgindo, sendo discutidas, o que ouço geralmente é “isso não dá pra fazer”, “não vai dar certo”, “não concordo”. Presencio isso diariamente em algumas consultas. O sofrimento provocado por uma determinada forma de agir ou pensar é real e mesmo assim o paciente reluta em mudar. Alguns muitas vezes acabam desistindo da terapia porque acreditam que ela não está fazendo efeito. No entanto, a realidade por mais cruel que seja é que se não estamos felizes, se não mudarmos nossa forma de pensar sobre nós mesmos, sobre a nossa vida e sobre os outros e consequentemente não colocarmos esses conceitos reformulados em prática, não chegaremos a lugar algum.

O processo terapêutico exige empenho e ação. É o mesmo mecanismo utilizado em qualquer processo de aprendizado. Envolve sair da zona de conforto, olhar para algo novo, se desafiar e tentar e tentar até que o resultado seja positivo, satisfatório. Não será na primeira tentativa e não acontecerá sem esforço. É repetição, assim como na academia de ginástica, até que os resultados apareçam. É como iniciar um processo de reeducação alimentar, onde é necessário se convencer a cada momento que vai valer a pena lá na frente não ceder às tentações agora. Idêntico. Mas em vez de elencar mentalmente porque é melhor escolher maçã a pudim de sobremesa, temos que repetir para nós mesmos quantas vezes forem necessárias o quanto um relacionamento estava fazendo mal por exemplo.

Às vezes ouço: “E eu vou ficar me enganando só para eu não me sentir mal?” Poderia ser qualquer um, mas se o assunto em questão for um relacionamento abusivo, por exemplo, responderia algo do tipo: “você está se enganando quando diz para si mesmo que é uma boa pessoa, com muitas qualidades e que merece um relacionamento mais respeitoso? Parece enganação nos tratarmos com carinho? Não deveria parecer.

A verdade é que mudar dói, e muito. Às vezes percebemos que investimos tempo demais em relacionamentos falidos, às vezes entendemos porque não nos valorizamos, porque estamos deixando nossa vida passar sem nos mexer. Algumas constatações doem de verdade. Mas ela são a chave para uma transformação. Só que para essa transformação efetivamente acontecer, agir é fundamental. Se assistirmos diariamente a todas as aulas de uma academia de ginástica, somente assistir, durante um ano ininterrupto, ao final desse período, nossos corpos estarão diferentes? Claro que não. Teremos que fazer as aulas. Para nos aproximarmos do que desejamos em relação a comportamento é a mesma coisa. Ou nos propomos a investir energia no processo ou nada acontecerá. E aí, só temos uma escolha, aceitarmos os resultados que estamos colhendo já que insistimos em continuar “plantando” do mesmo jeito. Tenho certeza que todos nós temos um potencial incrível para a evoluirmos e nos aproximarmos de fato da vida mais equilibrada que desejamos, só precisamos escolher. Espero que você escolha o melhor para você!

Até a próxima sexta! <3

Nenhum comentário »

Nada ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Deixe um comentário:

* = Obrigatório