Agenda temporariamente fechada - Maria Fernanda Medina Guido

Agenda temporariamente fechada

Aprendi desde muito cedo que precisamos ser fortes. Dar conta das coisas, engolir o choro e seguir porque a vida não espera você se recuperar, afinal, a vida não para. E eu repeti essas frases “motivadoras” para mim mesma a vida toda, feito mantras.

 

Mas aí veio a pandemia. E assim como você, eu nunca havia enfrentado uma. E por conta disso e até mesmo por não ter escolhas, enfrentei tudo de cabeça erguida. Dando suporte, esperança e compaixão aos meus pacientes quando muitas vezes dentro de mim, haviam as mesmas dúvidas, os mesmos medos. Vai passar eu dizia com convicção, vai passar. Trabalhei feito gente grande em 2020. E por favor não entendam como reclamação porque trabalhar é uma das coisas que mais gosto de fazer. As pessoas precisaram de suporte como nunca e eu que aprendi a ser forte o tempo inteiro, abracei cada desafio, cada nova carinha que surgia no Zoom.

 

Aí veio o Covid. Só pensei: aqui não. Foram 28 dias de sintomas e eu acreditei o tempo todo que daria tudo certo, e deu, graças a Deus. E aí como a vida não espera a gente se recuperar, voltei rapidamente a tudo e todos, bem esbaforida, diga-se de passagem rs. Depois de ter tido Covid, a suposta pior fase da Pandemia ter passado e tudo ir lentamente retomando o ritmo, com máscara e álcool em gel, eu voltei pro consultório físico, via ainda que a 2 m de distância alguns pacientes, encontrei alguns poucos amigos e familiares depois de tantos meses sozinha em casa, me permiti inclusive a tirar uns dias de férias, e por o pezinho no mar… parecia que a vida estava dando uma trégua… só parecia. Em novembro, comecei a desconfiar que estávamos muito errados.

 

E quando chegou 2021, comecei a sentir o peso de 2020 pra valer. E aí repetir meus mantras não funcionavam mais, eu parecia não estar mais muito a fim de ser tão forte… 2020 havia sido duro, mas 2021 já chegou atropelando tudo. E aí, não sei se foi por optar por devolver minha sala de atendimentos mesmo sabendo que financeiramente era a melhor decisão a ser tomada, não sei se foi um procedimento médico simples que passei, que deu errado e teve desdobramentos terríveis, não sei se foi a falta de apoio de grandes amigos meus quando tomei uma decisão importante em janeiro, não sei se foi perceber teríamos mais um ano terrível de Pandemia, não sei. O fato é que eu “espanei”. Tive e ainda tenho crises uma labirintite feias, crises de insônia e pela primeira vez na vida, crises de ansiedade. E diante de tudo isso, precisei recorrer aos cuidados de um Psiquiatra, que me diagnosticou com Ansiedade e Depressão. Faço questão de contar isso aqui para reforçar que não, não há nada de errado se você precisa ou precisar também. Foi uma decisão muito acertada. A incerteza que vivemos estava me consumindo e eu não tinha dimensão de quanto. Agora, ganhei fôlego para cuidar de mim novamente e a sensação é muito boa. Estou me refazendo, pouco a pouco, testando estratégias, resgatando hábitos, usando o meu tempo para mim. Mas por conta disso, precisei fazer muitos ajustes, quanto aos meus horários, meu trabalho, porque o ritmo que estava, não era saudável. Foi difícil, mas necessário para que eu possa trabalhar com qualidade, cuidar com qualidade do outro e de mim. Por tudo isso, reduzi significativamente minha agenda e temporariamente estou com ela fechada. Isso se faz necessário neste momento e assim pretendo seguir, até que tudo esteja mais equililibrado dentro de mim.

Mas tenho ótimas colegas para indicar, por isso, se você não tiver mais nenhum contato em mãos, me procure, posso te ajudar!

Sem comentários »

Deixe um comentário:

Sua mensagem foi enviada com sucesso. Obrigado.

Artigos recentes